Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019
Artigos

A RETÓRICA POLITICA DO KOSMOS SOCIAL

Artigo da jornalista, pesquisadora e escritora Sandra Natividade, membro da Primeira Igreja Batista de Aracaju

Publicada em 23/09/19 às 11:20h - 218 visualizações

por Sandra Natividade


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Divulgação )

Lendo essa primeira produção do estudioso Marcus Resende, diria em rápidas palavras que o autor não é apenas mais um pesquisador que emerge no cenário do conhecimento científico, mas um mestre, notável cultor trazendo sem dúvida melhor entendimento sobre as doutrinas filosóficas, membro do Viva Vox, grupo de pesquisa em Filosofia antiga da UFS, doxógrafo por excelência. Marcus esse pequeno gigante é um dos melhores professores da língua inglesa que conheço. A vida acadêmica do novel escritor o credencia a enveredar no campo da pesquisa filosófica: Pesquisador Assistente do Projeto “A Lógica e a Percepção do Persuasivo no Estoicismo”, Mestre e, atual doutorando em Filosofia pela UFS, Pós-graduado “Strictu Sensu” em Administração de Empresa (MBA) pela Campbellsville University (EUA), Pós-graduado “Latu Sensu” em Gestão Estratégica de Marketing pela FGV e, em Comunicação Social – Propaganda e Publicidade pela Universidade de Fortaleza, Licenciado em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará e bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil – Recife/PE. Identificação procedente, culminando com o lançamento do seu livro A Retórica Política do Kosmos Social, ocorrido dia 17 de julho de 2019, às 19h30 no Café do Museu da Gente Sergipana. Obra de leitura agradável, compila magistralmente nas bem estruturadas 150 páginas verdadeiro tratado, sintetizando seus estudos nas fases da dissertação de mestrado e atual tese de doutoramento.

O autor, discorreu com propriedade sobre correntes filosóficas de pré-socráticos, socráticos, chegando com mestria aos sofistas, tem sido convidado a ministrar palestras, participar de rodas de conversas filosóficas, enfim tenta depois do lançamento do bem-sucedido livro, atender convites que recebe. Para o discente é comum quando o assunto é filosofia citar filósofos pré-socráticos indo, assim aos revisitados sofistas, a exemplo dos sábios: Protágoras de Abdera, Platão, Górgias de Leontinos, Hípios de Elis, Isócrates de Atenas, Licofon, Pródico e Trasímaco. O autor de A Retórica estudou em profundidade teses, tratados, doutrinas detendo-se por opção acadêmica nas teses do sofista grego Górgias de Leontinos, aquele que argumentou com Sócrates sobre justiça e verdade; em sua obra o escritor Marcus propõe-se com objetividade invulgar, identificar a função importante e primordial da retórica sobre o filósofo Górgias refutando pontos, observando que a resposta de Górgias a indagação de Sócrates não foi devidamente construída na narrativa de Platão. O autor com sua cosmovisão do Kosmos Social (Kosmos é ordem) deixa implícito sua vontade de expor concisamente, fatos acerca da retórica de Górgias de Leontinos oferecendo clareza e acima de tudo objetividade na leitura, analisa fatos, deduz e expõe posições, a exemplo do que escreveu na introdução da obra:

“O interesse desse livro pelo tema da retórica de Górgias foi suscitado pelo fato de que as investigações iniciais identificaram que a resposta de Górgias à pergunta do personagem Sócrates não foi satisfatoriamente construída na narrativa do escritor Platão, ou nem sequer foi elaborada. Além disso, a narrativa parece   apresentar o personagem Górgias como um orador confuso e incoerente, que não sabe sequer explicar se sua retórica é ou não uma arte.... Mais grave ainda, sem explicação alguma, o personagem Górgias é tirado da cena do diálogo, ainda em seu início, exatamente no momento em que Sócrates afirma que a retórica de Górgias “não é absolutamente nenhuma arte...”  A partir dessas constatações iniciais, estabelecemos que o objetivo da pesquisa... é identificar a função primordial da retórica de Górgias de Leontinos. Mas esse trabalho não tem o foco na interpretação do livro Górgias de Platão, este aparece aqui como um dos indicativos de que boa parte do que escreveu Platão sobre Górgias não apresenta necessariamente a visão deste sobre sua própria retórica”.

Portanto a obra não se prende aos indícios elencados pelo autor, mas dá luz a um processo de recuperação da sofística iniciado com Hegel, achando na retórica de Górgias de Leontinos a resposta que necessitava sobre o poder de sua arte. Nas entrevistas concedidas, nas palestras e conferências proferidas Marcus Resende discorre com propriedade sobre A Retórica do Kosmos Social, delineia com precisão cirúrgica um ordenamento filosófico não excludente. O mundo precisa de adequação de ordem, o Kosmos social induz a isto. Os três capítulos do livro são bem estruturados versando sobre, Capítulo I:  Górgias e a Sofística - abordando O século V e o advento da sofística, Renascimento da sofistica no século XIX e, Identificando o Górgias filósofo, retor e político. O autor destaca:

“Certamente o século V A.E.C. marcou a filosofia da Grécia com o surgimento de pensadores que determinaram uma mudança na maneira de fazer filosofia. Para estes, já não mais interessava falar das coisas da natureza, preocupação maior dos filósofos pré-socráticos, deixando o homem fora dessa reflexão. Para a sofística, a verdade não está na natureza, mas no homem que a interpreta.  Os sofistas eram pensadores que viajavam e quase sempre se estabeleciam temporariamente em centros de convergência cultural e política. Havia uma crise da aristocracia grega, e os sofistas também representavam a voz daqueles que não faziam parte dessa aristocracia, eram homens comuns de famílias humildes que fizeram do seu trabalho do ensino da retórica um modo de vida e uma fonte segura de captação de recursos financeiros... ”

Continua o autor deixando suas marcas precisas, no Capítulo II: Górgias no Teatro em Atenas: a verdade da experiência comunitária, O discurso de Górgias no teatro, O logos, A persuasão e, O Kairos e a verdade comunitária. Textos da obra esclarecem:

“A comédia começou como uma maneira de ridicularizar pessoas da comunidade diante da assembleia, o que, segundo a crença dos frequentadores do teatro, agradava muito ao deus Dionísio, especialmente quando apresentada nos festivais fálicos. A ética política, social, familiar e comunitária se torna um dos temas relevantes nas poesias, e a comédia serve para expor e criticar desvios éticos observados pela comunidade. Górgias decide abordar um tema delicado, mas conhecido por todos os atenienses: o mito de Helena. Valorizado na Odisseia e na Ilíada de Homero... O senso comum dos presentes no teatro interpretava o mito como um ato de traição ao povo grego, visto que Helena era casada com Menelau, um rei grego, mas decidiu abandonar o esposo e...

Transcrevi suscintamente tópicos importantes da obra de Resende, chegando ao final, abordando o Capítulo III: A verdade metafísica “nada é”, e, A verdade desejada é a do kosmos social.

  “A retórica política dos kosmos social é uma retórica pedagógica. Górgias é professor e gosta de ser professor, de estar entre pessoas e alunos falando horas a fio sobre temas variados de interesse da comunidade.  ... não ensina filosofia nos moldes tradicionais, não tem doutrina filosófica ou escolar, ele nega esse modelo de ensino de filosofia e de escola. Esse modelo metafísico fundado em uma filosofia cuja verdade do “Ser é” e o “Não-ser não é”, já foi bastante ameaçado pelo “nada é. ...a retórica política do kosmos social ensina a técnica retórica porque é no ambiente do duelo retórico que Górgias faz filosofia, e sem a habilidade retórica o fazer filosófico não acontece, cai-se novamente na ditadura do saber metafísico”.  

O panorama e a aceitação das correntes filosóficas são bem mais amplos e complexos do que se possa inferir. Reporto-me ao panorama filosófico grego desse contexto com forte e aparente conotação de guerra não necessariamente de batalha bélica ou algo que o valha, mas sim de acolhida aos sofistas identificados como detentores da arte ou melhor da técnica retórica. Entendo que no final houve bom prélio entre as correntes pré-socráticas, sofistas, gregas e persas cada uma guardando sua própria identidade; nisto nota-se que a retórica de Górgias de Leontinos prevaleceu, o Discurso de Helena é prova inconteste de visão privilegiada, que enredo, Menelau perdendo esposa e filha para o Paris, duro páreo... Deixando Górgias, bem claro que esses atores foram os responsáveis pelo começo da Guerra de Tróia. Em meio a controvérsias é certo que oratória fácil, discursos eloquentes e convincentes convergiu para a conquista de espaço e estabelecimento eficaz dos sofistas, ou seja, da técnica retórica em defesa do Kosmos Social.  Sugiro, portanto a leitura de A Retórica Política do Kosmos Social.

“A persuasão aliada as palavras modela a mente dos homens como quiser. ” Górgias de Leontinos

 

Sandra Natividade




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (79)9 9161-5033

Visitas: 102274
Usuários Online: 167
Copyright (c) 2019 - Radio Boas Novas e Viaje Sergipe - Avenida Senador Júlio César Leite, 1445 – Edf. Jardins – S/304 – Bairro Aeroporto / CEP: 49037-580 Aracaju/Sergipe/Brasil Fone: (79) 99979-7974 - 99974-1811 - 99161-5033 - boasnovasaracaju@gmail.com